Quando ouvimos o termo “acertar as contas com o leão” dá até arrepios, pois sabemos que chegou a hora de fazer a declaração de imposto de renda e prestar contas à Receita Federal. Alguns se arriscam a fazer a sua própria declaração, já outros buscam ajuda profissional ou de alguém que tenha familiaridade e experiência com as regras e peculiaridades do Imposto de Renda (IR).

Há meios que ajudam tanto quem trabalha na área contábil, cujo tema é inerente à função, quanto qualquer interessado em aprofundar conhecimentos sobre o assunto e se tornar apto a declarar seus rendimentos anualmente. Cursos online, por exemplo, ensinam desde conceitos até as orientações sobre cada campo de preenchimento na declaração.

O segredo para se tornar um expert em Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) é conhecer as especificidades e estar atento às alterações - IR é um campo que sempre tem novidades, sejam mudanças na obrigatoriedade, em valores e em regras diversas.

Alguns contribuintes possuem uma movimentação financeira e patrimonial mais tranquila, o que torna fácil fazer a declaração, mas a de outros é mais complexa - e é justamente dessa mais complicada que vamos falar nesse artigo. Exemplos são as alienações de bens com ganho de capital, escrituração de um livro caixa nas atividades rurais e carnê leão, para os quais precisamos de um programa à parte para calcular e posteriormente importar os dados.

Além disso, vamos ver como preencher as declarações de espólio e qual a obrigatoriedade do certificado digital para envio das declarações. Tem bastante conteúdo interessante – uma super amostra do Curso Online Imposto de Renda Pessoa Física do portal Foco Educação Profissional. Uma boa leitura para você!

Cursos relacionados que podem te interessar:

Imposto de Renda Pessoa Física: declarações auxiliares

Programa Livro Caixa da Atividade Rural

O Programa Livro Caixa da Atividade Rural é uma declaração auxiliar do Imposto de Renda que pode ser baixada no site da Receita Federal de acordo com a versão do ano-calendário.

A declaração é preenchida e posteriormente os dados apurados deverão ser importados. Mais adiante veremos como fazer na declaração de imposto de renda. Antes vamos compreender o que é considerada atividade rural, conforme as leis 8.023/1990 art. 2º; 9.250/1995 art. 17; e 9.430/1996 art. 59:

  • Agricultura

  • Pecuária

  • Extração e exploração animal e vegetal, da apicultura, piscicultura, suinocultura e outras culturas animais;

  • Transformação de produtos oriundos de atividade rural, em que utiliza apenas matéria-prima produzida na área rural explorada, por exemplo: acondicionamento e pasteurização do leite, entre outros produtos;

  • Cultivo de florestas que se destinem ao corte para comercialização, consumo ou industrialização; e outros.

Diante dessas informações, se o contribuinte se enquadra na atividade rural, pode apurar o resultado da exploração através da escrituração do livro caixa, que deve conter as receitas e despesas do ano-calendário.

Os contribuintes que tenham tido receita anual igual ou superior a R$ 56 mil são obrigados a essa apuração, já a quem teve receita menor é facultada a apuração e dispensado o livro caixa, mediante prova documental.

É importante ressaltar que para toda informação prestada no seu Imposto de Renda Pessoa Física deve haver um documento correspondente, pois pode ocorrer uma fiscalização e os valores informados deverão ser comprovados. O produtor deve assegurar que sejam todos documentos idôneos, que tenham valor, data da operação e sua identificação como beneficiário.

No curso online Imposto de Renda Pessoa Física há algumas dicas e orientações que ajudam no registro das atividades rurais:

♦ Estoque não comercializados: tem que informar sobre os estoques, mas só entra na declaração após a venda.

♦ Turismo rural: como é exploração do comércio, entra na declaração normal. Já se há atividade agrícola, as duas declarações devem ser feitas, pois são tributações diferentes.

♦ Arrendamento de terra: o dono da terra, o arrendador, vai utilizar o carnê do leão. Já o arrendatário preenche o livro caixa e o programa de reajuste anual, em "demonstrativo de atividade rural".

♦ Terra nua: deve ser informada em "Bens e Direitos". Quando for vendida o ganho de capital deverá ser informado na declaração correspondente (lembrando: ganho de capital = diferença entre o valor da compra e da venda. É sobre essa diferença que incide a tributação). No IR é chamada "terra nua" o imóvel que não tem investimento algum - nem equipamentos ou construções em cima, necessários para a atividade rural, como pecuária ou lavouras.

♦ Benfeitorias: em alienação, as benfeitorias são consideradas receita da atividade rural. Já em aquisições e caso estejam identificadas na escritura pública, são despesas da atividade.

♦ Produtores com participação em empresas: devem informar todas as quotas de participação no capital social, assim como tudo que recebeu na distribuição de lucros. Também devem ser informados os valores de IRRF e INSS, caso existam.

A restituição do imposto de renda está ligada a tudo o que tiver relação com a produção, desde que sejam itens necessários. Exemplos: cerca, mudas, adubos, fertilizantes etc.

É importante que o produtor saiba que a não apresentação da declaração de imposto de renda pessoa física, ou até mesmo alguma pendência, trava a emissão da Certidão Negativa de Débito (CND), documento solicitado por bancos para a concessão de benefícios como financiamentos e subsídios.

Todas as informações detalhadas acerca da declaração de atividade rural são tratadas em cursos online de IRPF e de tributação. É importante frisar sobre a importância dos cursos online com certificado nessas áreas para quem atua em setores administrativos e contábeis de sindicatos e escritórios rurais, além dos contábeis, é claro.

Programa Carnê Leão

Esta outra declaração auxiliar também é bastante importante e muitas pessoas nem fazem ideia do que se trata. Ela é direcionada para a pessoa física que recebe por serviços prestados a outra pessoa física, e que é obrigada a recolher os impostos devidos mensalmente e informar ao programa carnê leão.

Quem se enquadra nessa categoria são autônomos, profissionais liberais, pensionistas, locadores de imóveis e veículos e pessoas que recebem valores do exterior.

Autônomos prestadores de serviço a pessoas jurídicas, mas sem vínculo empregatício, não devem incluir o rendimento na base de cálculo do carnê leão, pois a empresa que vai reter o imposto direto na fonte no momento do pagamento.

As informações apuradas no carnê leão também devem constar no Imposto de Renda, então como fazer a declaração de imposto?

O funcionamento é simples: as pessoas físicas que trabalham utilizando seu CPF e emitem recibos aos clientes são obrigadas a escriturar um livro caixa todo mês através do Programa Carnê Leão.

Neste livro caixa são apresentados todos os recibos dos serviços efetuados, ou seja, as receitas, e todas as despesas com aluguel, água, luz, telefone e todas as que forem dedutíveis, apresentando toda a movimentação financeira.

Caso não lembre o que são despesas dedutíveis, são as consideradas de origem profissional, aquelas que são extremamente importantes para exercer a atividade e que podem gerar uma possível restituição do imposto de renda.

Imposto de Renda

Programa de Apuração de Ganhos de Capital

Outra declaração auxiliar bastante importante e integrante da grade de conteúdos de nosso Curso Online Imposto de Renda Pessoa Física é a relacionada à apuração de ganhos de capital.

Na alienação de bens e direitos se obtém um ganho de capital e o Programa de Apuração de Ganhos de Capital auxilia nos cálculos, que depois serão importados para a declaração de imposto de renda.

Sempre que for efetuada uma venda que resulte em lucro (o valor da venda menos o que foi pago na compra) é aplicado 15% em cima dessa diferença, referente ao imposto de renda.

Obrigação do uso do certificado digital

As pessoas físicas somente estão obrigadas a transmitir a declaração para verificar se possuem restituição do imposto de renda utilizando o certificado digital quando se enquadrarem nas especificações abaixo:

  • Tenham recebido rendimentos tributáveis, não tributáveis, isentos e tributados exclusivamente na fonte, cuja soma seja superior a 10 milhões de reais;

  • Nos casos de pagamentos a pessoas jurídicas que contenham dedução na declaração ou pessoas físicas que contenham ou não deduções superiores a 10 milhões de reais.

Os contribuintes que fazem a opção pelo certificado digital possuem algumas vantagens, como preenchimento online direto no site da Receita Federal, usar a declaração previamente preenchida e acompanhar o processo em tempo real, sem burocracia.

Espólio

O espólio é o conjunto de bens, direitos e obrigações de uma pessoa falecida. A pessoa que é responsável por um inventário concluído ou em processo precisa fazer a declaração de imposto de renda. Os processos de inventário podem se prolongar por mais de um ano e a declaração deve ser feita em nome do falecido até ocorrer a conclusão da partilha de bens.

Para a legislação tributária, após a morte a pessoa física não se extingue de imediato, se prolongando através do seu espólio. Existem as seguintes classificações das declarações de espólio: inicial, intermediária e final. Veja o que é cada uma delas:

♦ Declaração Inicial de Espólio: como o próprio nome já diz, refere-se ao ano-calendário do falecimento, ou seja, será realizada logo após a ocasião.

♦ Declaração Intermediária de Espólio: a intermediária deverá ser entregue nos anos-calendários seguintes ao do falecimento, caso o processo de partilha de bens esteja em andamento. O herdeiro não pode declarar no seu imposto de renda pessoa física os bens e direitos do falecido até que o processo de partilha seja finalizado.

O preenchimento é feito da mesma maneira que é realizada a declaração de ajuste anual. Pode seguir as mesmas regras para apresentar os bens imóveis, móveis, rendimentos, aplicações financeiras, entre outros.

No momento de colocar no programa deve-se escolher a opção de declaração de ajuste anual e colocar o nome completo e CPF do falecido na ficha de identificação do contribuinte. E para informar que a declaração é de espólio, no campo ocupação principal, deve-se escolher a opção de natureza com o código 81, que corresponde a esse fim. Os dados do inventariante (nome, CPF e endereço) também são informados na ficha "Espólio".

♦ Declaração Final de Espólio: somente depois do inventário concluído e da escritura pública da partilha dos bens e direitos lavrada é que será possível enviar a declaração final de espólio. Independentemente de ser uma declaração de ajuste anual ou final de espólio, ao concluir a apuração, o resultado pode ser a restituição do imposto de renda ou imposto a pagar.

O preenchimento na declaração se dá com o nome completo e o número do CPF do falecido. Na identificação do contribuinte a ocupação é automaticamente preenchida com o código de espólio. Depois, na ficha "Espólio", se escolhe se o inventário foi dado por meio de decisão judicial ou escritura pública. Os dados do inventariante também devem ser informados nos campos solicitados, assim como o número do processo, identificação da vara cível, data da decisão etc. Todos os dados solicitados constam no inventário.

Já em "Bens e Direitos" devem ser informados os bens imóveis, móveis, conta bancária (corrente ou poupança) e tudo mais que foi inventariado e que será distribuído aos herdeiros. Quando o beneficiário declarar seu imposto de renda, o valor do bem recebido por meio do inventário deverá ser o mesmo informado na declaração final de espólio do falecido.

Pode parecer meio complicado, mas ao irmos mais a fundo, por meio de cursos online com certificado, tutoriais e guias, tudo ganha uma nova compreensão.

Com relação à obrigatoriedade de apresentação das declarações de espólio, são aplicadas as mesmas regras que para contribuintes pessoas físicas. Sempre que houver bens a inventariar, a declaração final de espólio é obrigatória.

Os certificados do Foco Educação Profissional podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Capacite-se em IRPF e outras áreas no Foco Educação Profissional

Saber tudo sobre Imposto de Renda é muito bom para a carreira profissional e também uma necessidade de qualquer contribuinte. O curso do Foco Educação Profissional traz tudo que há de novidades nesse tema e mostra que o IR não é tão assustador quanto se imagina. Há muito mais para você aqui em nosso portal.

Temos mais de 1.000 cursos online com certificado distribuídos em várias áreas de conhecimento, elaborados por um setor pedagógico dedicado e comprometido em oferecer o melhor conteúdo aos cursistas.

Para fazer o curso que deseja, basta fazer a sua inscrição no portal. O investimento é de apenas R$ 69,90 e além do curso escolhido, você pode fazer todos os cursos online disponíveis no Pacote Master. Isso mesmo, quantos quiser, no período de um ano.

Comprove todas as vantagens que oferecemos e se prepare para alavancar sua carreira. Esperamos que tenha gostado do artigo e que nos deixe seu feedback nos comentários. Aproveite e compartilhe o texto com os amigos e colegas. Bons estudos e até mais!